Conhecidos como Grupo de Bagé, quatro amigos uniram seus talentos e experiências e criaram uma história sólida ao longo dos anos.

Para contar essa trajetória e a visão de casa um na arte, a Fundação Iberê Camargo, em Porto Alegre/RS, apresenta “Os quatro”. A exposição apresenta novas leituras e percepções acerca do trabalho do Grupo, frutos de estudos e documentários realizados por diversos pesquisadores no Estado.

Não apenas trabalhos de Scliar, Danúbio, Glauco e Glênio (que foram o grupo) estarão expostos, mas nomes como Lila Ripoll, Pedro Wayne e Clovis Assumpção aparecerão para contar mais sobre a trajetória e influências desses artistas de Bagé. Nas paredes da FIC, não haverá apenas gravuras, mas quadros, aquarelas e capas de revistas, que mostrarão a versatilidade e rica produção dos quatro artistas.

Ocupando dois andares da Fundação Iberê, estarão na mostra em torno de 180 trabalhos oriundos de 24 instituições e acervos particulares. Museu de Arte do Rio Grande do Sul Ado Malagoli (Porto Alegre), Pinacoteca Aldo Locatelli da Prefeitura de Porto Alegre, Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, Pinacoteca do Estado de São Paulo, Museu da Gravura Brasileira/FAT/Urcamp (Bagé) e Instituto Carlos Scliar (Cabo Frio, RJ) são algumas das instituições a emprestarem obras; além de peças do espólio de Danúbio Gonçalves, Glênio Bianchetti e Glauco Rodrigues, emprestadas por suas famílias. Sendo uma grande mostra retrospectiva, feita a partir de uma ampla pesquisa de documentação, reportagens de jornais e cartas, acreditamos que tanto o grande público, quanto os entusiastas e conhecedores do Grupo serão agraciados com uma nova e generosa visão sobre o tema.

A exposição “Os Quatro” fica em cartaz até o dia 8 de março na Fundação Iberê Camargo, localizada na Av. Padre Cacique, 2000. Porto Alegre/RS.

Close