Com uma programação especial, o Museu de Arte Sacra da Boa Morte comemora seus 50 anos nesta dia 4 de outubro. Entre as novidades, está o lançamento do website, a digitalização do acervo online, a atualização do Plano Museológico e o Plano de Gerenciamento de Riscos da instituição.

Localizado no Centro Histórico de Goiás, o Museu de Arte Sacra da Boa Morte possui uma construção em pau a pique e pedra de formato octogonal. Sua torre sineira externa possui um sino de som grave fundido em Goiás em 1785. Em 1921, um incêndio destruiu o altar, a sacristia e várias imagens de madeira do escultor Veiga Valle, considerado o “Aleijadinho goiano”.

Hoje, com aproximadamente mil peças, o acervo é composto de imaginária, prataria, mobiliário, porcelana, retábulos, indumentárias, gravuras e pinturas. Coroas, cálices, castiçais, tocheiros e lampadários dos séculos 18 e 19, peças de origem portuguesa e telas com temas religiosos completam o acervo. São obras sacras de vários autores, com destaque para o artista Veiga Valle.

Nos próximos meses, a equipe do Museu iniciará a restauração e higienização das obras do Veiga Valle, e a porta central do Museu será aberta, o que facilitará a visitação do público. Além disso, está sendo formatada uma nova expografia para o espaço e a comunidade terá acesso a peças nunca antes expostas, como os oito registros materiais das peças que sobreviveram ao incêndio de 1921, da antiga Igreja de Nossa Senhora da Boa Morte.

O Museu de Arte Sacra da Boa Morte é aberto ao público de terça a sábado das 8:00 às 17:00 horas e domingo e feriados 8:00 às 12:00 horas. Seu ingresso é de R$ 4,00 (inteira) e R$ 2,00 (meia), estudantes, idosos e moradores da cidade são isentos.

Close