A partir deste sábado, 13 de maio, o Museu Afro Brasil abre ao público três novas exposições, que abrangem pinturas, fotografias, esculturas, gravuras, e outros itens que mostram a história do Brasil de vários olhares e perspectivas. A curadoria é de Emanuel Araújo,  fundador, diretor e curador do Museu.

Em “Geometria afro-brasileira e africana”, o público poderá conferir como a geometria está presente em diversas culturas ao longo do tempo, manifestada em desenhos rupestres de cavernas, em pinturas corporais de africanos e também nos índios brasileiros, em peças decorativas, tecidos, entre outros.

São mais de 200 obras, como esculturas, pinturas, gravuras e outras produções de artistas como Rubem Valentim, Almir Mavignier, Edival Ramosa, Jorge dos Anjos, Washington Silveira e Rommulo Conceição, um artista que vive e trabalha em Porto Alegre.

A segunda visita pode ser feita pela exposição “A quem interessar possa – Trajetos e Trejeitos de São Paulo”, que traz ao público cerca de 250 obras, entre pinturas, esculturas, documentos, manuscritos, fotografias e objetos históricos, em uma representação histórica da cidade de São Paulo.

Vários artistas estão representados, a exemplo de Aldemir Martins, Antonio Henrique Amaral, Danilo di Prete, Fernando Odriozola, Massao Okinaka, Norberto Nicola, Odetto Guersoni, Quirino da Silva, Raphael Galvez, Roberto Sambonet e Yolanda Mohalyi, que trazem toda a essência e sedução da metrópole de 463 anos, que é pura energia, vitalidade e diversidade.

O visitante fará uma viagem ao passado, recordando ou até mesmo conhecendo objetos históricos comemorativos do Quarto Centenário de São Paulo, como molduras produzidas pelo Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo e outros objetos que todo cidadão paulistano já viu, ou ouviu falar, como cartões postais, discos de vinil, brinquedos (de indústrias paulistas), roupas e mapas antigos.

Finalizando, a exposição “1888” celebra oficialmente a abolição da escravatura. A mostra é um reparo de uma época triste para a história do Brasil, mas que também celebra o início de uma nova era. Apresenta uma composição que reúne 1200 fotografias com retratos colhidos nas congadas que se apresentam em manifestações religiosas do sul de Minas Gerais. Também traz esculturas em ferro, pedra e madeira.

Não deixe de visitar essas três exposições, que ficam em exibição até o dia 9 de julho, no Museu Afro Brasil, localizado na Av. Pedro Álvares Cabral, s/n – Parque do Ibirapuera, em São Paulo/SP. Entrada R$ 6,00 | Meia entrada R$ 3,00 | Gratuito aos sábados.

 

Close