No dia 26 de abril, o Museu do Pacaembu promoverá um ciclo de palestras com o tema “A História das Copas do Mundo”. Durante os meses de abril a julho, autores consagrados e pesquisas inéditas serão apresentadas ao público.

No mês de abril, o foco é o olhar estrangeiro, especialmente o Europeu, sobre a seleção brasileira no mundial de 1970. Outro foco inédito é na atuação dos diplomatas brasileiros nesse mundial.

Palestra: Uma vitória oportuna “A Copa de 1970 e a imagem do Brasil no exterior” Com: Clement Astruc. Ele abordará o papel das Copas do Mundo na construção da imagem do Brasil no exterior, a partir do caso da Copa de 1970.  A palestra também trará o olhar dos diplomatas do Itamaraty sobre a vitória de 1970, assim como algumas iniciativas tomadas nesse período, questionando o uso do futebol como ferramenta de política externa.

Horário: 14h00
Local: Auditório do Museu do Futebol (capacidade 174 lugares + 4 cadeirantes)
Quanto: Gratuito
Data: 26/04/2018

 

 

Passando por obras de restauro integral há cerca de um ano, o Museu Regional de Caeté, em Minas Gerais, promoveu, pela segunda vez, uma visita técnica à intervenção física com objetivo de promover a educação patrimonial.

Alunos da turma de Edificações da Fundação Educacional de Caeté foram os visitantes desta edição e puderam conhecer de perto o trabalho de restauro de uma dos principais edificações históricas da cidade mineira.

Os temas abordados na visita incluíram a recomposição de uma parede inteira feita em pau a pique e os resultados das escavações arqueológicas realizadas por ocasião da obra, revelados recentemente.

O restauro integral do Museu Regional de Caeté inclui reforço das fundações e restauração da estrutura; adequação de instalações (elétricas, luminotécnicas, segurança, telecomunicações, sonorização, proteção contra descargas atmosféricas, prevenção e combate a incêndio e pânico, hidrossanitárias e drenagem); garantia de acessibilidade, com instalação de rampa, elevador, sanitários acessíveis; e construção de nova reserva técnica. A previsão é de que as obras sejam concluídas no início do segundo semestre.

Fonte: museus.gov.br

De 23 a 29 de abril, museu do Governo do Estado de São Paulo participam da #MuseumWeek 2018, ação promovida pelo Twitter para instituições culturais de todo o mundo. Por desempenhar um papel vital no desenvolvimento da sociedade, cultura, arte, ciência e educação ajudam a construir laços sem fronteiras entre as pessoas.

A ideia desse encontro cultural e virtual é destacar temas atuais e de grande importância em uma conversa intercultural entre instituições e indivíduos. Os temas desta edição são:

mulheres (#womenMW, segunda-feira 23);

cidades (#cityMW, terça-feira 24);

patrimônio (#heritageMW, quarta-feira 25);

profissões (#professionsMW, quinta-feira 26);

crianças (#kidsMW, sexta-feira 27);

natureza (#natureMW, sábado 28);

e diferença (#differenceMW, domingo 29).

 

 

Nesta quinta-feira, 19 de abril, às 19 horas, no Café Teatro Zélia Gattai, o Projeto AVOZEDITA apresentará uma noite cultural intitulada “Três Menestréis”, com o músico carioca Thiago Amud e os poetas Salgado Maranhão e José Inácio Vieira de Melo. A entrada é gratuita.

O evento está dividido em quatro momentos. A noite abre com um bate-papo com o poeta maranhense Salgado Maranhão e o músico Thiago Amud, mediados por José Inácio Vieira de Melo. A segunda parte será um recital com vários artistas baianos interpretando poemas de “A sagração dos lobos”, nova obra poética de Salgado Maranhão. Em seguida, uma apresentação musical de Thiago Amud, interpretando músicas dos seus Cds “Sacradança” e “De ponta a ponta tudo é praia-palma”. Para fechar a noite, o lançamento de “A sagração dos lobos”.

Fonte: www.jorgeamado.org.br

Quem visitar o Museu Cais do Sertão, no Recife/PE, está super convidado (a) a visitar a exposição de longa duração “O Mundo do Sertão”, que tem a proposta de expandir os horizontes de possibilidade de interpretações desse sertão.

No térreo, um “Rio São Francisco” com as suas águas e peixes e, de forma inesperada, as variadas instalações. Objetos reais misturam-se a projeções; chapéus, gibões e sanfonas dialogam com karaokês sertanejos nos estúdios de gravação e na sala de música brotam velhos e novos baiões; instrumentos de trabalho e antenas parabólicas complementam estações interativas; objetos de arte e religiosos dividem espaço com um imenso acervo de canções.

A exposição está dividida em sete territórios temáticos: Ocupar, Viver, Trabalhar, Cantar, Criar, Crer e Migrar. Cada ambiente desses remete aos principais aspectos do dia a dia do sertanejo, oferecendo ao visitante a oportunidade de se locomover pelo espaço e interagir com os artefatos expositivos.

O Museu Cais do Sertão está localizado na Av. Alfredo Lisboa, S/N – Recife Antigo.

No mês em que se comemora o Dia do Índio (19 de abril), o Museu Paranaense recebe os indígenas Fulni-ô, do interior de Pernambuco. Uma programação cheia de apresentações e troca de experiências está programada para toda a família. Neste encontro, o grupo divulgará sua cultura, com danças, rituais e artesanato.

Anote na agenda: nos dias 10, 12, 24, 26 de abril e 3 de maio eles permanecem o dia todo no museu, das 9h às 17h, com apresentações na parte da manhã (10h) e da tarde (16h). Dias 15, 19 e 29 de abril estarão no museu apenas na parte da manhã.

Os artesanatos produzidos pelos índios — colares, cocares e pulseiras — estarão à venda e todo o valor adquirido será revertido para a própria aldeia.

Os Fulni-ô habitam o município de Águas Belas, localizada a 273 quilômetros da cidade de Recife, no Pernambuco. É o único povo indígena do Nordeste que conseguiu preservar a própria língua, chamada Ia-tê, assim como o sigiloso ritual Ouricuri, que acontece em agosto. O que é de conhecimento público é que, durante o ritual, é realizada a eleição das autoridades máximas do grupo: o Pajé, o Cacique e a Liderança.

Este é um ótimo passeio para levar a família toda, principalmente as crianças para que conheçam de perto a cultura e a história dos povos indígenas, tão importante para o Brasil.

Serviço
Mês do Índio no Museu Paranaense
Exposição e venda de artesanatos do povo Fulni-ô
Dias 10 (terça), 12 (quinta), 15 (domingo), 19 (quinta – manhã), 24 (terça), 26 (quinta), 29 de abril (domingo) e 03 de maio (quinta).
Horários: terças e quintas das 9h às 17h; domingos das 10h às 12h.
Entrada gratuita

Museu Paranaense
Rua Kellers, 289 – São Francisco – Curitiba – Paraná
Terça a sexta-feira, das 9h às 18h
Sábados e domingos das 10h às 16h
Informações (41) 3304-3300 | www.museuparanaense.pr.gov.br

A exposição “Cinco Pontas”, aberta gratuitamente ao público no Museu da Cidade do Recife, chega para celebrar a indicação do forte ao posto oferecido pela Unesco.  A intenção é mostrar para o recifense a importância desse edifício como patrimônio histórico, simbólico e físico da Cidade.

A exposição conta com animações, imagens atuais do Forte das Cinco Pontas sob um ponto de vista ainda pouco explorado da arquitetura do edifício e vídeo-aulas, gravadas com o arqueólogo Ulisses Pernambucano, o professor e arquiteto Pedro Valadares e o arquiteto e urbanista José Mota Meneses.

A indicação

 

O Forte das Cinco Pontas, junto com o do Brum e o Orange, é candidato a patrimônio cultural mundial da humanidade. A candidatura desses três fortes localizados em Pernambuco integra o conjunto de 19 fortificações brasileiras que pleiteia título, dado pela Unesco. Além das edificações de Pernambuco, há também do Amapá, Mato Grosso do Sul, Rondônia, Rio Grande do Norte, Paraíba, Bahia, Rio de Janeiro, São Paulo e Santa Catarina.

 

O Museu Afro Brasil apresenta uma nova montagem da mostra “Design e Tecnologia no Tempo da Escravidão”, uma das exposições de maior sucesso na história da instituição e que ficará em exibição até junho de 2018.

Com um novo recorte sobre o acervo do Museu Afro Brasil, a mostra reescreve a história da tecnologia no Brasil, resgatando a nação construída pelas mãos dos africanos e reforçando a participando e presença do negro, fundamental na identidade brasileira. A exposição conta com mais de 70 objetos de uso doméstico e das fazendas e engenhos de açúcar, além de imagens de viajantes como Debret.
O visitante passa por mesas de lapidação de pedras preciosas, forjas de ferreiro, moendas de açúcar, prensas de folha de tabaco, moendas de milho, formas de queijo e rapadura, plainas de marceneiros. Todos esses artefatos ilustram o ambiente dos séculos XVIII e XIX.

SERVIÇO
:
Museu Afro Brasil
Av. Pedro Álvares Cabral, s/n
Parque Ibirapuera – Portão 10
São Paulo / SP – 04094 050
Telefone: 55 11 3320-8900
www.museuafrobrasil.org.br

Que tal ver em um único local o encontro da arte contemporânea com a arte popular?! Esta é a proposta do Museu Casa do Pontal com a instalação “O bunker”, de OSGEMEOS. A obra, feita especialmente para o museu, é a primeira dos irmãos Otávio e Gustavo Pandolfo no Rio de Janeiro.

A instalação ficará nos jardins do Museu Casa do Pontal e apresenta elementos escultóricos, arquitetônicos e de pintura. A obra tem uma parte externa de concreto e uma escultura no interior, que foi pintada com uma tinta especial para suportar o calor e o fio. Segundo OSGEMEOS, a obra tem diversos propósitos, como questionar, alertar, dialogar e, também, divertir. Além disso, tem o propósito de possibilitar a discussão sobre o papel transformador da arte.

A exposição permanente fica até 31 de dezembro de 2018 no Museu Casa do Pontal, localizado na Estrada do Pontal, 3.295, no Recreio dos Bandeirantes. Quem quiser pode conferir a exposição permanente do espaço. O ingresso custa R$ 10 e estudantes e idosos pagam meia.

Está em São Paulo? Com uma programação cultural riquíssima, a cidade se destaca no cenário de exposições. Quem visitar o Museu da Imagem e do Som pode conferir uma agenda de exposições exclusivamente de fotografias com obras de artistas nacionais e internacionais.

Em 2018, a mostra Maio Fotografia no MIS acontece entre os dias 21 de abril e 17 de junho. Durante o período todos os espaços expositivos do Museu serão tomados por obras de artistas singulares e fundamentais na história da fotografia.

Entre os trabalhos, destacam-se os de Walter Carvalho, José Oiticica Filho e do norte-americano Sandro Miller, que traz uma série de fotos do ator John Malkovich em releituras de imagens icônicas.

Uma mostra com obras do Acervo do MIS e outra selecionada por meio da convocatória Nova Fotografia 2018 completam a programação.

O Museu da Imagem e do Som está localizado na Av. Europa, 158, Jd. Europa. São Paulo/SP.

No próximo sábado, 14 de abril, a Fundação Ema klabin promoverá um ciclo de palestras gratuitas apresentando como e por que é possível contar uma história do mobiliário a partir da coleção de móveis expostos na Casa-museu.

O encontro faz parte do ciclo de palestras sobre os capítulos do livro “A Coleção Ema Klabin”. São 30 vagas para acompanhar esse diálogo.

Funcionando desde 1978, a Fundação  tem a sua sede na casa onde morou Ema Gordon Klabin. A partir de 1960,  a construção, de aproximadamente 900 m2, foi finalizada. Cerca de 1500 itens de vários estilos e períodos distribuídos pelos oito principais ambientes da casa – vestíbulo e hall, galeria, salão, sala de jantar, sala de música, biblioteca, quarto principal e de hóspedes – abrangendo desde a antiguidade clássica até o modernismo brasileiro, passando pelas artes pré-colombianas, africanas e orientais.

Informações: Ema Klabin

O Museu Oscar Niemeyer (MON) abre suas portas para a exposição de longa duração“Ásia: a Terra, os Homens, os Deuses”, que apresenta um recorte de 200 obras entre as três mil que compõem a coleção, doadas ao museu pelo embaixador Fausto Godoy, reunidas por ele ao longo de sua carreira diplomática.
O público vai poder conferir peças como as cerâmicas do Vale do Indo, que podem chegar a 7 mil anos (V-II milênio A.C.), gravuras japonesas e indianas, o espírito protetor de jade (guardião de túmulo), do período neolítico chinês; além dos ornamentos e outras peças da Ásia Central, entre elas várias do planalto tibetano, que revelam o valor singular desta coleção.

A coleção reúne peças raras, de forte conteúdo simbólico, representando o cotidiano arcaico ou contemporâneo das civilizações asiáticas, provenientes de mais de 10 países asiáticos.

Com esta doação, o MON passa a ter em seu acervo cerca de 7 mil obras, além de uma das coleções asiáticas mais significativas do Brasil e da América do Sul.

Vale destacar que o museu recebeu um número recorde de agendamentos para visita guiada. Foram 4,3 mil agendamentos de escolas estaduais, públicas e particulares, marcados até o mês de junho deste ano exclusivamente para esta mostra. \o/

Museu Oscar Niemeyer
Rua Marechal Hermes, 999 – Centro – Curitiba/PR
Terça a domingo, das 10h às 18h
R$20,00 e R$10,00 (meia-entrada)
Venda de ingressos e acesso às salas de exposição até 17h30
Entrada gratuita às quartas-feiras
Telefone: (41) 3350 4400

Close