Fomos para a Baixada Santista conhecer de perto um local onde guarda as memórias da nossa história com o futebol retratada a partir da vida de um dos maiores jogadores do mundo: o Rei Pelé, como ficou conhecido Edson Arantes do Nascimento, eterno ídolo do Santos e da Seleção Brasileira.

O prédio que abriga o museu — inaugurado em junho de 2014 (sim, é bem novo) — é um edifício neoclássico do século XIX, com a recriação da fachada com suas inumeráveis portas e janelas. No interior do prédio adotou-se um estilo arrojado, contemporâneo.

Depois de muitos anos de pura decadência, dois incêndios ainda acometeram os prédios. Mas havia ali uma riqueza imensurável, arquitetônica e histórica. E então, com muito esforço e dedicação, iniciou-se o trabalho de restauração que resultou em um lindo museu.

O edifício é dividido em três blocos que compõem o Museu, sendo: Bloco Central (550m2): Entrada do Museu, com espaço para duas lojas, café e sanitários; Bloco 1 (1.405m2): área para exposições temporárias e auditório em forma de esfera com 12 metros de diâmetro e capacidade para 80 lugares. Bloco 2 (1.232m2): acervo de Pelé, contendo objetos pessoais, troféus, fotos, vídeos, documentos e material impresso (jornais, revistas, livros, pôsteres, cartazes, etc).

Pelé é o jogador brasileiro que mais influenciou o nosso futebol tanto aqui quanto fora. A sua história esportiva só podia ganhar um espaço como este para mostrar sua vida e obra. Vale ressaltar aqui que Pelé foi o jogador mais vitorioso na história do futebol, com três Copas do Mundo pela Seleção Brasileira e dois títulos mundiais pelo Santos Futebol Clube. Seu nome também está atrelado ao carisma, à simpatia, ao fim de guerras, e aos bons exemplos para as futuras gerações.

No Museu, o público pode conhecer mais de 2.500 peças relacionadas à história do Rei do Futebol. Entre os itens mais importantes da exposição, está a Bola de Ouro especial que Pelé recebeu na festa de gala da Fifa. Na área interativa, um gol virtual recebe cobranças de pênaltis dos visitantes e contabiliza a velocidade da bola no momento do chute. A sala Linha do Tempo revela toda sua infância e a carreira.

A exposição temática “Quatro Copas e Um Rei” ocupa toda a área dos mezaninos e conta a história dos Mundiais dos quais Pelé participou, de 1958 (Taça Russa), 1962 (Cobertor), 1970 (Jules Rimet), 1991 (estátua) e sobre a copa de 1950.

A história da vida de Pelé no futebol também pode ser contada por qualquer um de nós. Se você possui um objeto, um documento, uma foto ou um filme que remetam a um momento marcante da vida ou da carreira de Pelé, você pode fazer uma doação oficial ao Museu e permitir que sejam vistos por milhões de visitantes de todas as partes do mundo.

Trata-se de um templo do futebol com 4.400m² contando a história desse esportista brasileiro com destaque internacional, contribuindo para a difusão do futebol verde e amarelo.

 

Close